sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Amostra do seu traço

De:Juca Gonçalves
Enviada em: sexta-feira, 14 de dezembro de 2007 15:23
Para: Luis Di Vasca
Assunto: Quadrinhos
Fala grande!
Seguinte, vou direto ao assunto porque eu sou bem direto sempre. Sou roteirista e tenho um projeto de história em quadrinhos, já está quase tudo escrito e preciso de um desenhista bom e bastante dedicado que aceite tocar este projeto comigo. Não vai rolar grana no momento mas a idéia é fazer bombar esta HQ no Brasil inteiro, se bobear a gente pode levar o projeto até pra gringa, aí você receberia uma porcentagem dessas vendas que tenho certeza que não serão poucas. E aí? Topa? Aí quando a gente encher nossos bolsos podemos dar um chute na bunda do viadinho do Junior que não quis e indicou você. Bem, pra isso eu vou precisar de duas coisas, primeiro, logicamente de sua aceitação, depois eu queria que me mandasse uma amostra do seu traço, pode fazer qualquer rabisco mesmo porque o que eu estou querendo ver é o jeitão do teu traço.
Valeu cara!

De: Luis Di Vasca
Enviada em: sexta-feira, 14 de dezembro de 2007 18:19
Para: Juca Gonçalves
Assunto: RE: Quadrinhos
Grande.
Olá Juca, tudo bem?
Bem, vou fazer melhor ainda! Vou dar a resposta que você precisa e a amostra do meu traço no mesmo lugar.
Atenciosamente,
Di Vasca
De:Juca Gonçalves
Enviada em: sexta-feira, 14 de dezembro de 2007 19:50
Para: Luis Di Vasca
Assunto: RE: RE: Quadrinhos
Beleza, babaca! Quem tá perdendo é você! Desenhista eu acho de baciada por aí

De: Luis Di Vasca
Enviada em: sexta-feira, 14 de dezembro de 2007  20:11
Para: Juca Gonçalves
Assunto: RE: RE: RE: Quadrinhos
Olá Juca, tudo bem?
Sei perfeitamente o quanto estou perdendo com as vendas de um fanzine realmente, sei que vou deixar de tomar champanhe em um enorme iate, em direção ao Caribe, mas acho que vou conviver com esta perda, pode achar outro sortudo nessas bacias.
Atenciosamente,
Di Vasca

72 comentários:

  1. Hehehe bom... Mas nossa, imagino que vocês ilustradores não fiquem uma semana sem receber uma proposta indecente nesse estilo. Que irritante!

    ResponderExcluir
  2. Mas e ai, como ficou a HQ dele? ja ta na gringa?

    ResponderExcluir
  3. O cara gosta de ser direto então é até justo q tome uma direta também.

    ResponderExcluir
  4. Divasca também simples e direto ao ponto!!!!! ahahahahahahahahahah

    ResponderExcluir
  5. eu desenho zé palito e to desempregado, será que ele ainda precisa de alguém?

    ResponderExcluir
  6. Engraçado como as pessoas passam a considerar alguém babaca quando ouvem um não. =P

    ResponderExcluir
  7. Putz!, essa eu não posso deixar de comentar. Será que ainda tem gente que acredita que dá pra viver desenhando histórias em quadrinhos, gibis, mangás e suas variantes?
    É um mercado extremamente informal e muito desvalorizado; onde os bons recebem pouco, os medianos são miseráveis e os ruins morreram de fome.
    De todas as profissões da áreas artística essa de quadrinista é a pior de todas.
    E eu já vi muita gente que acredita que o seu "fanzine" vai bombar. Como eu também ouvi falar de cara que já tem o seu fanzine há mais de 10 anos, pra mim esse sujeito está no amadorismo a 10 anos.
    E não venham me dizer que Maurício de Sousa é desenhista por que ele já deixou de ser desenhista pra ser empresário já faz muitos anos. Me refiro ao profissional que desenha este tipo de material e não ao empresário que apenas administra e paga esse profissional (se é que ele paga).

    ResponderExcluir
  8. Claro que acha de baciada. Ontem mesmo comprei na feira duas bacias cheias de artistas. Tenho equipe pra animar o Píncipe do Egito. Ele está certo, desenhista a gente encontra em baciadas mesmo.
    Mais um a vez , Divasca perde a oportunidade de sair na capa da Caras...

    ResponderExcluir
  9. Vendo pelo lado bom, pelo menos ele não disse que seria idiota da sua parte se não aceitasse.
    Como a Nanee disse, acho engraçado como a pessoa fica puta da vida quando recebe um 'não', fica cheia de mimimi hehe.

    ResponderExcluir
  10. o que eu não entendo:
    - essa galera não vem aqui no site ver uma "amostra do seu traço"?
    - e uma vez estando aqui, eles não vêem uma "amostra do seu bom-humor"??

    ResponderExcluir
  11. Brasofino, a troca de email rolou em 2007. Por isso que tem gente perguntando se bom bou ou não.

    Po, viver de HQ só não dá, quer fazer uma fanzine por amor a coisa, legal, dou o maior apoio, contanto que seja como passatempo. O Davi falou certo, o Mauricio de Souza é empresário, e é exatamente assim que as coisas funcionam, o Walt Disney não ficou rico com desenho animado, mas com o marketing dos desenhos dele, as meninas compram brinquedo das princesas até hoje!

    Tem o exemplo dos caras da extinta Holy Avenger, que além do Gibi tinham as revistas de RPG e os livros, só assim para se manter.

    Nos EUA mesmo onde é forte o mercado de Gibi você não vê nenhum roteirista de Gibi andando de iate pro caribe.

    Te contar viu!

    ResponderExcluir
  12. Já recebi mais propostas desse tipo do que bom dia. E pior é que aceitei algumas... Só assim pra aprender...

    ResponderExcluir
  13. Legal que pessoas que não querem pagar vc tbm encontra de baciada!!! hsusahuasuh

    ResponderExcluir
  14. O que não falta é sonhador planejando criar HQ's e ganhar rios de dinheiro nas bancas. Os caras pegam algum desenhista, prometem mundos e fundos e os dois gastam os tubos criando esses fanzines de luxo.

    Aí, milhares de reais em investimento depois, chegam nas bancas e vão concorrer com batman, Wolverine, superman, naruto, bleach e diversas outras obras que são sucesso mundial de vendas.

    Depois quando os caras quebram a culpa é do... leitor que não entendeu a grandeza da obra deles, ou porque paga pau pra produto estrangeiro etc etc.

    E o pior é que essa história velha é o retrato da HQ no Brasil. Por isso, quando um desenhista recebe uma proposta dessas ele tem que fazer igual o Di Vasca mesmo, ou até pior.

    ResponderExcluir
  15. Viver de quadrinhos da sim, eu vivo, sustento casa e tudo mais! mas não é esse tipo de quadrinho, trabalho no mercado americano mesmo e vale a pena =]

    ResponderExcluir
  16. Em busca do Deodato encantado.

    Di Vasca podia ser o novo Mike Deodato, Joe Prado, Daniel HDR etc, mas foi babaca e dispensou a chance de desenhar o ROTEIRO MAIS GENIAL e INOVADOR que não só os mundo dos quadrinhos, MAS O MUNDO INTEIRO já viu...Tsc tsc tsc... u_u

    Se continuar assim jamais veremos Di Vasca na capa da revista Exame... Poxa, tem que agarrar as oportunidades!

    *Sarcasmo off*

    Ai meu saquinho...Cada um que aparece... Esse blog podia muito bem chamar Ilustrador da Depressão... Porque, p#rram... Ver esses clientes da uma vontade de procurar um emprego mais normal... Apertar parafuso numa montadora ou fritar hamburguer em lanchonete capitalista, enfim... -__-

    ResponderExcluir
  17. Ig Barros, mas vc naum vive de quadrinhos, vc vive de ilustração, vc ilustra para empresas que desenvolvem quadrinhos, geralmente esse pessoal que quer fazer hq do nada acha que é só produzir que já ta bom, tem que correr muito atraz de editora, alguém forte no mercado que te financie. Desenvolves estratégias de marketing e produtos, etc...

    ResponderExcluir
  18. Davi, vc ta sendo radical, talvez por falta de conhecimento dessa área..
    Tem muitos brasileiros que trabalham com hq para empresas americanas, como colorista, desenhista e etc.
    Podia citar um milhão de nomes e exemplos, de pessoas que inclusive começaram fazendo fanzine, mas só ia servir pra deixar meu comentário grande e chato de se ler, mais do que já está.

    ResponderExcluir
  19. Engraçado que sempre a pessoa quer sair por cima

    "Ai ai ai, quem tá perdendo é você, quando eu ficar rico e famoso eu vou rir de você e você vai ficar choramingando mimimi"

    ResponderExcluir
  20. Wagner Lopes, não estou sendo radical. Conhecimento nesta área eu possuo bastante, quando eu estava na faculdade de publicidade eu tive que fazer um trabalho acadêmico sobre o mercado de quadrinhos brasileiros. Eu busquei bastante informação, visitei editoras, estúdios e desenvolvi um trabalho de pesquisa muito bom. A conclusão foi que 90% dos desenhistas de Hqs são infelizes, e mau pagam as contas de casa, mas são esperançosos por uma vida melhor, porém a mídia vende a imagem de um desenhista contente com o mercado e bem sucedido. FAMINHA não significa GRANINHA. Isso não quer dizer que o sujeito viva bem. Muitos desses nomes que você poderia citar de profissionais famosos não quer dizer que esse profissional seja bem sucedido.
    Inclusive já assisti várias palestras nesses eventos de quadrinhos de desenhistas "famosinhos" dizendo o quanto é difícil ele pagar as suas contas e a exploração da editora pelos artistas.
    E os que estão inseridos no mercado e "recebem relativamente bem, o fazem somente no exterior e mesmo assim não é grande coisa o piso salarial deles, corresponde a menos de 1% desses desenhistas. 0,1% desses desenhistas brasileiros recebem salários dignos do seu talento no exterior.

    ResponderExcluir
  21. É, eu também já recebi tais pedidos. E se for analizar, seria meses de trabalho, produzir uma HQ é trabalhosa.

    Mas não é ruim, existem editoras dispostas para publicar trabalhos acabados e bem feitos, mas como disse o tempo gasto gratuitamente não te alimenta, infelizmente.

    No meu caso, sou ilustrador, e tento produzir um Romance gráfico próprio em tempo livre, mas nunca dependerei disso para viver.(Fora os artistas brazucas que trabalham para o exterior que sei que ganham bem por páginas)

    ResponderExcluir
  22. Raqsonu. Deixa agente informado do seu projeto...

    ResponderExcluir
  23. hitler teve tantas almas que o odiaram para perdoar que a carga completou um download

    ResponderExcluir
  24. Raqsonu. Deixa agente informado do seu projeto... [2]

    ResponderExcluir
  25. Lucas Dantas, o pessoal da Holy Avenger (Cassaro e Petra - esposa dele e desenhista ou roteirista, não lembro) trabalham ambos na Mauricio de Souza Produções, ajudam a fazer o "mangá" Turma da Monica Jovem.
    E a Erika Awano não trabalha mais pro publico brasileiro, se não me engano.

    ResponderExcluir
  26. Pra vc ter uma idéia como o mercado de quadrinhos é difícil tanto aqui quanto lá fora, o Jason Pearson, quadrinista que fez Legião dos Super Heróis da DC agora fez umas declarações bem estranhas no Facebook dele, como uma carta suicida. Tá falando que não tá dando nem pra pagar as contas. Pessoal tá fazendo até uma vaquinha de emergência pro cara não se matar. https://apps.facebook.com/fundrazr/activity/d824dde975d549f0b0aa70183e39025c?psid=70b9b6db5697436eb3c5320e87e2c57e

    ResponderExcluir
  27. Considerando o crescimento do mercado de livros, tanto no exterior quanto no Brasil, creio que compensa bem mais investir a criatividade na literatura.

    Falando nisso, estou escrevendo um livro bem bacana (pelo menos, todo mundo que leu uma parte curtiu), na linha infanto-juvenil... e vai rolar umas ilustras, também. Já desenhei quadrinhos... mas é bem mais fácil, na minha opinião, escrever e intercalar a história com algumas ilustrações, a desenhar quadrinho por quadrinho.

    Já recebi uma proposta parecida com a do Di Vasca... minha resposta, inclusive, foi mais parecida ainda.

    ResponderExcluir
  28. Mas, vou confessar uma coisa: ainda acredito nos quadrinhos. Claro que não busco viver disso, mas tenho lá meus sonhos.

    Agora, pegar um trampo desses com um sujeito que escreve uma historinha qualquer, provavelmente de um super-heroi que é cópia das gringas, diz que não rolar grana nenhuma, e ainda acha que vai concorrer, mano a mano, com os quadrinhos da DC, da Marvel e até da MSP, é BURRICE!

    E imbecil a gente já sabe que o Di Vasca, definitivamente, NÃO É! Tem de trollar mesmo um trouxa desses, cara!

    ResponderExcluir
  29. tem desenhista de renome da dc/marvel ganhando 20/250 dolares por pagina, é pouco se forem ver que fazer entre 18 e 22 páginas por mês (iniciantes ganham em media 50 dolares nos estudios, muitas vezes sem constar o nome na hq.

    mas a maioria ganha bem menos, raros os casos dos quadrinhistas que ficam ricos, e os que ficaram foi com a criação de estudios, cargos executivos, etc, não com os quadrinhos.

    no Brasil é bem pior.

    ResponderExcluir
  30. A Érica Awano está desenhando quadrinhos para o exterior - atualmente, Europa. Desde Holy Avenger ela se mantem ocupada.

    E para quem deseja ter um bom conhecimento sobre a realidade do mercado nacional de quadrinhos, recomendo a leitura destes 10 mandamentos:

    http://blogs.estadao.com.br/tragico-e-comico/2011/08/28/10-mandamentos-para-o-jovem-artista-partes-1-a-5/

    http://blogs.estadao.com.br/tragico-e-comico/2011/09/04/10-mandamentos-para-o-jovem-artista-partes-6-a-10/

    ResponderExcluir
  31. alguns anos atras li um texto de um desenhista que trabalho em um estudiu de desenho (não era dito, mas dava pra entende que era do Jim Lee), lembro que ele falava que quase todos os desenhos eram feitos por ele e outros desenhistas do estudio, eles ganhando 50 por página e o "jim Lee" quase 10 vezes isso, sendo que todos os desenhos eram apresentados como do "jim Lee".

    ResponderExcluir
  32. Xi... boa sorte pro rapagote do Fanzine.
    No Brasil, quadrinhos é um Hobbie que por sorte vira trabalho, poucos têm sucesso.

    ResponderExcluir
  33. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!! ri litros!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  34. Pra se ter uma idéia do quanto pagam mau um desenhista de quadrinhos, (uma merda mesmo). Foi criado uma ong nos EUA para ajudar desenhistas e roteirista de quadrinhos sem dinheiro, que não conseguem se manter com o seu trabalho. Eles dão ajuda médica e financeira e aceitam doações.
    http://www.heroinitiative.org/
    Então pra quem acha que é um bom mercado isso é informação suficiente para não se iludirem ou pularem fora do barco antes mesmo de embarcarem.

    ResponderExcluir
  35. Gente, esse cliente fala gíria demais, vamos levar para gringa? olha as ideias.. n tem como levar uma pessoa dessas a sério.. Aposto q ele não ia pagar nada.
    Esse jr só te ferra eim kkkkk
    Quem tem um amigo desses(JR) não precisa de inimigo.

    ResponderExcluir
  36. (Bem que queria ver uma hq feita pelo Di vasca)

    ResponderExcluir
  37. Como artista de quadrinhos e devo dizer que realmente não se pode viver disso totalmente aqui no Brasil. No meu caso, tenho emprego basico onde recebo meu sustento e no tempo livre que eu tenho me dedico aos quadrinhos. Mas um artista de quadrinhos não deve se apegar apenas a midia impressa, eu uso a internet para mostrar histórias e vender fanzines (é não ganho muito com isso, mas dá comprar uma besteirinha...). Também parte dos artistas mais conceituados (tirando Alan Moore) vende direitos de suas obras independentes para animações, filmes e games. É só questão de saber capitalizar sua obra, claro a não ser que você seja um artista "indie" conceitual e essas coisas, que não quer falar em vendas, dai fica dificil...

    ResponderExcluir
  38. Dava pra inventar um pouco mais. Foi um pouco sem graça.

    ResponderExcluir
  39. Espero que não ofenda os babões de plantão

    ResponderExcluir
  40. Rogério Sousa, tudo que entendi do seu comentário foi que você não vive de quadrinhos e nem trabalha com o mesmo. Vive do seu emprego fixo ao qual não citou o que faz nele. Pelo visto você faz quadrinhos como bico, nem por hobbie e nem por profissão.
    Meu conselho: Pare de perder tempo fazendo histórias em quadrinhos, não estão te levando a lugar nenhum e nem o levarão, focalize sua criatividade e sua arte em algo mais rentável, em um nicho do mercado artístico que possa lhe pagar bem e lhe trazer algum futuro. Ocupe seu tempo livre estudando outra coisa.

    ResponderExcluir
  41. engraçado como em outras profissões parece ridículo http://www.youtube.com/watch?v=p5b6BLxX548&sns=fb

    ResponderExcluir
  42. Deixa ele procurar alguém com mais paciência e vontade de trabalhar como escravo!

    ResponderExcluir
  43. Davi Araújo,

    De certa forma agradeço a preocupação, mas não.
    Pois se fosse seguir o seu conselho talvez ficasse realmente frustrado a medida do tempo fazendo coisas que nada tem a ver com o que gostaria de fazer, embora queira realmente viver bem remunerado com o que você chama de "bico" ou coisa que o valha com os quadrinhos é uma espécie de midia que aprecio de fino grado. Mas tenho real noção desse problema. O fato de ter um emprego fixo seria para pagar contas e etc. Paralelamente tento o máximo me aprimorar e fazer a diferença, pois como é de praxe, a cultura tanto do quadrinista como o do ilustrador não são bem valorizadas neste país, assim como sinto em seu comentário.
    Vejo que que é publicitário, não? Tem sua profissão bem remunerada? Lhe dá um bom retorno e felicidade, não é? Parabéns.

    Mas não quero ser publicitário, desculpe, é só o que eu tenho a dizer, obrigado.

    ResponderExcluir
  44. É Davi... Dessa vez sou obrigado a discordar de você. Como o Rogério disse, ele faz isso porque gosta, e não nescessariamente porque espera ganhar dinheiro com isso (não que não seria bom). Mas defendo que as pessoas corram atraz daquilo que gostam, se sabem aonde estão se metendo. Se é algo que o faz feliz e ainda assim ele é pé no chão o suficiente para saber que não pode depender só disso, qual o problema?

    Como eu disse acima sobre a Holy Avenger. Se eles não tivessem acreditado nunca teriam lançado a revista. Ok, não foi muito longe, mas eles conseguiram escrever uma saga muito boa, do inicio ao fim, e isso tem um valor sim.

    Aproveitando para agradecer a galera que disse o que aconteceu com Cassaro e Cia., fazia tempo que eu não ouvia falar mais nada sobre essa turma.
    =D

    ResponderExcluir
  45. Estou com o Rogério de Souza o/

    Por mais difícil que seja trabalhar com HQs, há o prazer de se criar uma história bem escrita e ainda se corre o risco de acabar se saindo bem na história. Um novo Mauricio de Sousa, por exemplo. Por que não?

    É claro que o mercado de quadrinhos está complicado. Mas ainda acredito que lançar uma coisa nova mesmo, que atraia o povão, pode dar um retorno legal. Mangás, por exemplo.

    Quadrinhos educativos podem, por exemplo, ser vendidos para um único grande cliente - o governo, por exemplo. Já vi empresas que tiram uma pusta grana com isso.

    Mas acho legal a profissão do publicitário, também. Dá um retorno legal, sim. Tanto que larguei, este ano ainda, minha antiga profissão (advocacia) para seguir essa área (comunicação e publicidade) e, no meu caso, os desenhos me deram um retorno muito mais rápido e satisfatório do que os processos que se emperram nos cartórios e levam anos para serem devidamente julgados.

    Publicidade tem tudo a ver com área do ilustrador - criação de personagens, logotipos, caricaturas para banners... o uso da criatividade, que tanto interessa também aos cartunistas e ilustradores em geral, está muito presente na publicidade.

    Enfim, não são só opiniões minhas. São coisas que vejo no meu dia-dia.

    Mas, voltando ao assunto... ainda acredito nos quadrinhos o/

    ResponderExcluir
  46. Di Vasca, não nos enrole! Onde está a origem da guerra e a história da mãe do Paulo José?

    ResponderExcluir
  47. é mais facil ganhar a vida com um webcomic do que como quadrinhista, mas é obvio que a grana vem com patrocinadores do site e venda de produtos.

    ResponderExcluir
  48. Nenhum post hje
    Di Vasca nos abandonou :(

    ResponderExcluir
  49. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  50. Concordo plenamente com o Rogério de Souza.
    Claro que ganhar dinheiro é importante (e necessário), mas deixar de fazer oque gosta únicamente por busca ao dinheiro também não me parecer ser uma boa.
    Tudo bem, no começo vc pode até se contentar com isso, mas a longo prazo, a coisa vai mudando de figura. Vc nunca vai se sentir realizado fazendo algo apenas por dinheiro.
    Trabalho na área de publicidade (arte-final e ilustrador), e digo que essa área tb não paga muito bem em um modo geral. E tb tem bastante dor de cabeça tanto quanto na área de ilustração.
    Tenho um projeto de quadrinhos que faço como hobbie. Já faço ele há anos, e sempre que sobra um tempinho, faço uma página ou duas. E mesmo não ganhando nada com isso, me dá uma puta satisfação cada vez que termino uma página. Por isso, discordo do Davi. Se algo te da satisfação, faça. Simples assim.
    Infelizmente o menosprezo pelo quadrinista começa pela própria área da ilustração.

    ResponderExcluir
  51. - Origem da Guerra
    - História da mãe do PJ
    - Valquíria
    - Suzana do RH

    São os eventos que faltam...

    ResponderExcluir
  52. Bem, eu não acredito no mercado de quadrinhos, acho que esse é um mercado morto e abraçar defunto não é prazeroso. A única entidade que recebe uma boa porcentagem é a editora, e nem isso é grande coisa também.

    Zehb, Lucas Dantas, eu penso bem diferente: Acredito que fazer o que gosta sem retorno financeiro lhe trará uma frustração ainda maior. Em algum momento lhe virá a cabeça: "Caramba, eu faço um trabalho incrível e não sou bem sucedido." E esse sentimento aumentará quando perceber que não consegue pagar as contas com seu próprio esforço, ou se consegue pagar as contas, vive somente para isso, sem lazer nenhum, por que não lhe sobra mais nenhum tostão pra se divertir. Fazer o que gosta é bom, Claro que sim. Se for bem remunerado é ainda melhor, óbvio.
    Fazer algo que não é sua praia por dinheiro, pelo menos você é bem recompensado no final do mês e seus fins de semana e férias são mais felizes. Sua vida pessoal melhora por que você tem mais conforto em casa, liberdade de ir e vir e viajar pra onde quiser. Você cria mais independência e não precisa se sujeitar a propostas ridículas e desesperadoras pra pagar as contas. Pode não ser bom no expediente de trabalho, mas quando chega em casa é maravilhoso. O contrário ocorre quando se faz o que gosta sem retorno financeiro. ao chegar em casa é um inferno.

    ResponderExcluir
  53. Davi,
    Cara, eu até concordo contigo em algumas partes. Mas ainda acho que dinheiro não é o mais importante. Sei muito bem da importancia do mesmo na vida de todo mundo, e seria hipocrisia minha dizer que não trabalho visando lucro, e sim somente satisfaçao pessoal. Mas bro, existem situações que acontecem no trabalho, que não valem um alto salário. E tb discordo quando vc fala que no "horario de expediente pode não ser tão bom, e uma maravilha quando chega em casa". Nós passamos a maior parte do dia no trabalho, e cara, vc pode ter certeza que se nessa jornada de trabalho a coisa foi meio tensa, isso vai influenciar sua vida particular tb.
    Concordo plenamente contigo que o mercado de quadrinhos é complicado, e pode ser tb dificil uma pessoa viver somente dele. Mas isso não impede ninguem de tentar. Imagina só como seriam as coisas se ao primeiro sinal de dificuldade, neguinho ja desistisse de tudo.
    No meu caso, eu nao prentendo viver de quadrinhos. Sempre pensei nisso como um hobbie. Ao menos pra mim é assim. Não vejo isso como tempo perdido, como vc disse. Vejo isso como um forma de "terapia" e treinamento para o meu traço.
    Mas é isso ae. Cada um tem sua opinião, e é sempre bom discutirmos com pessoas que tem uma diferente da nossa.

    ResponderExcluir
  54. Davi,

    Sua opinião é extremamente pessoal e você está discutindo se a pessoa gostaria de fazer o que gosta ganhando pouco o que não gosta ganhando bem. Para isso não existe certo ou errado, cada um decide o que deseja fazer baseado nas próprias experiências de vida.

    Se a pessoa vai se frustar ou não, isso é problema dele e das escolhas que ele fez.

    Você diz que trabalhar com o que não curte, mas ter as férias pra curtir é a melhor opção (simplificando exageradamente o que você disse, claro)... mas será que aquela frase do confúcio não vale? "Trabalhe com o que gosta e não terás que trabalhar um dia sequer."

    Você trabalha com o que não gosta e curte as férias, outras pessoas podem trabalharam com o que gostam e curtir o trabalho. ;)

    ResponderExcluir
  55. Detalhe: Hoje eu trabalho com algo que não parecia ser minha praia e to curtindo... e não, não é quadrinhos. =P

    ResponderExcluir
  56. Fazer ou não fazer quadrinhos?
    A resposta:
    http://miguelrude.blogspot.com/2011/09/quer-produzir-ignore-os-trolls.html

    ResponderExcluir
  57. Marcus, Minha opinião realmente é bem pessoal, porém baseada em fatos reais estudados antes de me formar na faculdade. Eu não acredito que um profissional que desenha histórias em quadrinhos consiga retirar o seu sustento e construir um patrimônio vindo deste trabalho. Fazer fanzines pode ser divertido quando se é adolescente menor de 18 anos e o faz para conseguir uns trocados para implementar a mesada e ainda vive na casa dos pais;. Mas depois de adulto quando você tem responsabilidades e mora sozinho, insistir nisso não é uma boa opção de carreira na vida.


    "Marcus disse...
    Detalhe: Hoje eu trabalho com algo que não parecia ser minha praia e to curtindo... e não, não é quadrinhos. =P"

    Você chegou exatamente no ponto em que eu queria. Você provavelmente está fazendo algo na área artística que lhe traz algum retorno e nunca o imaginou fazer.
    Você canalizou sua criatividade para outra atividade, está gostando, e provavelmente deve estar dando certo. O que não estaria acontecendo se estivesse canalizando essa mesma criatividade nos quadrinhos.
    Se esse for o caso, Meus parabéns, está no caminho certo e continue assim.
    Muitos quadrinistas não se imaginam fazendo outra coisa mais rentável, porém o talento deles tem portas abertas para muitas áreas e não fazem. Eles mesmos fecham suas próprias portas ao não tentarem fazer outra coisa.

    ResponderExcluir
  58. Há uma pequena diferença na relação entre um roteirista e um desenhista de quadrinhos pra relação entre ilustrador e cliente. Na produção de uma história em quadrinhos, o roteirista não é cliente do desenhista, portanto, não é dele a obrigação de pagar o desenhista (ou vice-versa).

    A relação deles é de co-autoria (como manda a Lei de direito autoral brasileira.) Portanto, ambos tem funções criativas fundamentais na construção de uma HQ, e por isso devem dividir igualmente os lucros da obra advindos da porcentagem do autor(es). Então quem deve pagar a ambos é a editora, ou no caso de uma produção independente, o próprio lucro advindo das vendas direta da obra ao leitores.

    Por isso que quando convido algum desenhista pra trabalhar comigo, eu já deixo claro que não vou pagar nada pra ele, assim como não obrigo que ele pague nada pra mim. Pois ele não é meu cliente, nem meu chefe, mas meu parceiro de autoria na HQ, e iremos lucrar igualmente (ou tomar prejuízo igualmente, na pior das hipóteses). É assim que deve ser a relação entre um roteirista e desenhista.

    E como no Brasil é raro uma editora pagar adiantamento aos autores, é extremamente normal roteirista e desenhista terem que trabalhar "de graça" por um tempo enquanto não recebem a grana dos royalties de venda. E pode levar um bom tempo pra receber essa grana. Por exemplo, as editoras pro qual já trabalhei costumam pagar só de seis em seis meses, então nesse meio tempo tenho que me virar fazendo vários freelas, assim como o desenhistas que trabalham comigo.

    Essa é realidade dos quadrinistas no Brasil (seja roteirista ou desenhista). Não é a ideal, mas é a que temos. Mas independente disso, deve haver respeito entre roteirista e desenhista, nenhum é superior ao outro, pois repetindo, ambos são co-autores da HQ.

    Agora o resto dos profissionais que trabalham numa HQ (como letristas, diagramadores, revisores, etc), como não ganham royalties por autoria, aí sim devo pagá-los por aquele trabalho específico que ele realiza (no caso de uma produção independente minha eu mesmo pago, se for por editora, ela é quem paga esses profissionais).

    Mas percebam a diferença, esses profissionais não estão recebendo adiantamento de direitos autorais como os autores da HQ (roteirista e desenhista), eles não vão ganhar nada depois com a venda da obra (ou com qualquer outra possível exploração comercial dela em outros meios, ou como outros produtos). Eles estão ganhando unicamente o "pro labore". Eles são profissionais contratados, não são co-autores da obra.

    Então não faz sentido numa relação de co-autoria, no qual uma história em quadrinhos está sendo desenvolvida, o desenhista exigir o "pro labore" do roteirista e ainda ganhar os royalties, e o pobre do roteirista além de não ganhar "pro labore" nenhum de ninguém (pois as editoras no Brasil em geral não pagam "pro labore" ao roteirista), e ainda tem que pagar o do desenhista. Um relação de trabalho um tanto injusta, não?

    ResponderExcluir
  59. @Cadu Simões Pare imediatamente de fazer roteiros!

    ResponderExcluir
  60. 1) o Cadu está certíssimo. Parece até que sempre os roteiristas mendingam por desenhistas. Eu já recebi várias propostas de desenhistas, nenhum se ofereceu para pagar meu trabalho para escrever um roteiro para um argumento dele. Acho que todo desenhista tem o direito de desenhar o seu "não", mas desacreditar o quadrinho nacional, como falam alguns acima, é exagero. As coisas estão mudando e existem boas perspectivas para quem está produzindo (normalmente sem ganhar nada) e se aperfeiçoando.
    2) as pessoas esquecem que, por mais reais que pareçam as situações, esse é um blog de humor. Por sinal, eu nem deveria estar valorizando tanto assim essa postagem, hehe.

    ResponderExcluir
  61. Zé Wellington disse..
    "As coisas estão mudando e existem boas perspectivas para quem está produzindo (normalmente sem ganhar nada) e se aperfeiçoando".

    Se aperfeiçoando e "(normalmente sem ganhar nada)?" Quantos posts neste blog nos ensina a não trabalhar de graça. Perspectivas pra quem está produzindo sem ganhar nada não é perspectiva. Os quadrinhos fazem hipinose nos desenhistas.

    Zé Wellington, me descupe, mas quais seriam estas mudanças?

    há dez anos atrás:
    quadrinista era pobre
    Hoje:
    Continua pobre

    há dez anos atrás:
    quadrinista desenhava de graça
    Hoje:
    Continua desenhando de graça

    há dez anos atrás:
    quadrinistas eram esperançosos com uma vida melhor que nunca alcançam.
    Hoje:
    Continuam esperançosos por uma vida melhor que nunca alcançam.

    Eu não vi mudanças nenhuma. Fazer quadrinhos é mutilar-se mentalmente. O quadrinista fica acreditando em algo que o passado deste mercado mostra justamente o contrário; Não dá pra viver bem fazendo quadrinhos.
    Então o quadrinista passa a vida toda, desenhando de graça, se ferrando, acreditando que seu fanzine vai virar revista e vai bombar nas bancas, e depois de 10 anos ele continua pobre e ferrado. Se quadrinhos fossem bons não precisaria de uma ONG nos EUA pra ajudar quadrinistas pobres a pagarem as contas de casa, como se fosse bolsa família pra desenhistas.
    http://www.heroinitiative.org/
    E olha que isso é nos EUA, imagina aqui onde o mercado é "menor" quase invisível.
    O quadrinista fica enganando ele próprio. O quadrinista está mentindo pra ele mesmo o tempo todo. Poxa, se deem o valor.

    ResponderExcluir
  62. Quadrinho é uma forma de arte, uma forma de expressão. Não há porque criticar quem faça, bem como criticar quem não faça.

    Mais ou menos como jogar futebol. Pra cada salário de Neymar tem outros mil que ganham salário de merda, isso quando ganham. Mas, no entanto, todos os dias centenas de garotos continuam a se esforçar nas categorias de base.

    Eu visito diariamente uns vinte blogs de quadrinistas que vivem disso. Estão ricos? Não sei. O Maurício de Souza está. Stan Lee também. Não dá pra tomar um por exemplo e generalizar o resto.

    Se seu filho disser pra você que será pintor, com certeza você vai arrancar os cabelos do nariz com a unha. Mas tem gente que paga milhões por uma tela de pano com uma pintura nela.

    No Brasil, poucas são as profissões que não são vilipendiadas. Tirando médico, advogado e engenheiro, todo o resto tem que lidar diariamente com a mentalidade de que aquilo que você está fazendo não é trabalho... incluindo clichês como querer serviço de graça, ou achar que qualquer um consegue fazer aquilo...

    ResponderExcluir
  63. Eu ainda tenho esperança em ganhar a vida com quadrinhos. Ter aquela ideia genial e boom. É a única coisa que sei fazer na minha vida. Já trabalhei em diversos empregos, mas nunca me dei bem. Só na área de publicidade, ilustração, design etc. Ganho muito pouco... só da pra eu eu sair com a namorada, comprar umas coisas e tal, despesas normais de um jovem... sustentar uma casa ou fazer uma viagem p outro estado, nem dá.
    Pra ser sincero, mercado brasileiro de hq não acredito... minhas investidas sempre foram para o exterior. Uma editora até se mostrou interessada em um projeto. Pediram alguns ajustes no roteiro... Estou trabalhando nisso, apensar de não achar o melhor que eu já fiz. Ainda estou a procura da minha ideia genial, que me fará me tornar empresário também. hahahahhahaa

    ResponderExcluir
  64. Incrível, não tem como rir com isso!

    ResponderExcluir
  65. Cara, eu ouço tanto esse tipo de coisa... gente que diz que a longo prazo a HQ vai trazer benefícios ou então gente que nunca sequer leu um gibi e diz "cara, eu tenho uma ideia que ia ficar muito boa num quadrinho" e na verdade é uma bosta.

    ResponderExcluir
  66. Me dá duas bacias aí, por favor... não, duas é muito... me dá uma e meia, que além de tudo suja a porcaria toda de tinta aqui... só compro essa b... pq preciso mesmo, viu... hohoih

    ResponderExcluir